Pesquisar neste blog

terça-feira, 21 de novembro de 2017

O Alimento e o Segredo da Longevidade


Alimentação e vida guardam um importante elo que não se pode quebrar. Sem alimento não há vida, em nenhum reino da Natureza. Mas, dependendo do tipo de alimento que se faz uso também é possível reduzir ou ampliar a expectativa de vida de uma pessoa.


A Descoberta do fogo trouxe para a humanidade a conscientização de que somos algo além da selvageria, que nós somos algo parte de um ser único e ao mesmo tempo a consciência da socialização, ver e sentir o que o outro sente, compreender que com o amor e respeito podemos aprender a sobreviver. Para a sobreviver ao mundo físico necessitamos da energia vital. Esta energia vital vem através da Terra que nos mantem vivos. Os alimentos vêm da terra, não de seres, mas de tudo que brota da Terra. Lá, no princípio, a caça era o meio mais eficaz, um grande animal se sacrificaria por uma tribo. Então descobriram que com o fogo poderiam fazer um assado, se colocasse água virava um cozido, ou se colocasse a gordura animal virava uma fritura. E assim a culinária (também podemos chamar de “alquimia da transmutação da energia vital”) evoluiu, os seres famintos sentavam-se em volta das fogueiras e esperavam o alimento, se socializavam, acasalavam, dançavam e comiam. Logo foi misturando as ervas no cozido, as raízes e tinham uma grande sopa. Assim foram-se conhecendo os alimentos e enquanto ocorria à espera da refeição socializava-se o ser humano, daí veio a comunicação, as línguas e sons.


Pense nas cortes que comiam com talheres, pense no homem das cavernas comendo ao redor da fogueira. Todos comem!
Com toda a mudança genética através dos hábitos alimentares ao longo dos séculos o tipo de sangue da pessoa também pode identificar sua propensão para hábitos alimentares.



A Dieta do Tipo Sanguíneo ficou famosa em 1996, com o lançamento do livro “A Dieta do Tipo Sanguíneo”, best-seller nos Estados Unidos, escrito pelo americano Peter D'Adamo (médico naturopata), que segundo ele cada tipo de sangue tem sua característica e propensão.

Sangue Tipo O
São carnívoros com aparelho intestinal forte e necessitam comer proteínas animais diariamente, caso contrário, estão propensos a desenvolver doenças gástricas como úlceras e gastrites devido à alta produção de sucos gástricos. São considerados os carnívoros com um aparelho intestinal forte do grupo mais antigo, são os caçadores nômades.

Sangue Tipo A
São vegetarianos com aparelho intestinal sensível e têm dificuldades para digerir proteínas de origem animal, pois sua produção de suco gástrico é mais limitada. São os “sedentários” agricultores.

Sangue Tipo B
Podem tolerar dietas mais variadas sendo o único tipo de sangue que tolera bem laticínios em geral.

Sangue Tipo AB
Necessitam de uma dieta equilibrada contendo um pouco de tudo. É uma evolução dos grupos A e B, sendo que a alimentação desse grupo é baseada na dieta dos grupos sanguíneos A e B.  


Além da caça e pesca dos homens das cavernas, tinham aqueles que plantavam e colhiam, permaneciam naquele local por muito tempo para aguardar a colheita e ter fartura o ano todo. Esses não caçavam, colhiam. Já os caçadores continuavam nômades, tinham que ir atrás da caça. E assim cada tipo, vegetarianos ou carnívoros mantiveram seu estilo e seu espectro de DNA.



Os alimentos são mágicos, promovem reações químicas no corpo. Cada alimento é um remédio, uma cura para se manter vivo. As ervas de curas das antigas bruxas hoje são remédios, chás curativos, sucos de frutas desintoxicantes, unguentos (pomadas) de folhas e muitos outros usos.

Segundo Márcia Frazão, os verbos amar e cozinhar andam juntos. “Amor se faz na cozinha” assim ela afirma que as pessoas podem ser conquistadas pelo estômago.

"Todas as substâncias são venenos; não existe uma que não seja veneno. A dose certa diferencia um veneno de um remédio".
Paracelso, médico e alquimista suíço.

Cada planta tem um sexo, a doença não é curada da mesma forma em todas as pessoas. Segundo Paracelso, as doenças são catalogadas da seguinte forma: Do lado direito do corpo tudo é físico. Do lado esquerdo do corpo tudo é psíquico. Do lado da frente do corpo tudo é positivo (elétrico). Do lado das costas do corpo tudo é negativo (magnético).



O Veganismo vem crescendo no mundo, por vários motivos: saúde, amor aos animais e ao planeta, contra o sacrifico e sofrimento, vibração de dor e morte, devastação das florestas e inúmeros outros motivos. O Veganismo também se tornou para muitos um estilo de vida e uma filosofia. Viver só da energia vital, energia da Terra.
Falando em alimentos mágicos, que são tantos, daria para escrever um livro sobre o vasto assunto, vou passar três ervas mágicas da longevidade como dica para vocês.



Açafrão – o pó da longevidade:
O nome científico da planta é Crocus sativus, o nome popular pode ser: açafrão-da índia, açafrão-da-terra, açafrão ou cúrcuma. Sua origem é indiana sendo introduzido na Espanha pelos árabes, e difundindo-se pelo resto da Europa mediterrânea O açafrão indiano é feito dos estigmas das flores (é a área receptiva do pistilo das flores, onde o grão de pólen inicia a germinação do tubo polínico), enquanto da cúrcuma (um dos tipos de flores da família do gengibre. Seu nome veio do latim e quer dizer “mérito da terra”) utilizam-se as raízes. No mundo mágico e esotérico é amplamente conhecido que o açafrão é uma planta solar, seu elemento mágico é o Fogo.


 O açafrão era amplamente encontrado em muitas pinturas como oferenda ao Deus Sol (Ra) no Antigo Egito. Ele é muito utilizado em rituais, feitiços e culinária para prosperidade e cura. O açafrão sempre foi apreciado pelo seu aroma requintado e propriedades medicinais. É considerado a especiaria mais cara do mundo, pois, para termos 1 quilo, precisamos de 100 mil flores.

Não confunda a cúrcuma, apelidada de açafrão (açafrão-da-terra) pelos brasileiros, com o verdadeiro açafrão (açafrão-da índia), o brasileiro é produzido através da raiz (parente do gengibre) o outro é produzido das flores. O açafrão brasileiro também possui seus benefícios através do consumo da Cúrcuma para prevenção e tratamento do Mal de Alzheimer, também tem ação anti-inflamatória comparada ao cortisol e antioxidante. Pode contribuir inclusive para o tratamento do câncer e das doenças do coração.

Na antiguidade: Hipócrates, pai da medicina, utilizava o açafrão na composição de vários medicamentos contra as dores, a letargia, as cataratas e os venenos. Os fenícios tinham a tradição de passar a noite de núpcias em lençóis coloridos com açafrão, também tinham o costume de assar bolos com açafrão, dando-lhes a forma de lua crescente para louvar a lua e a Deusa Astaroth. Os gregos antigos utilizavam o açafrão para combater as insônias e curar as ressacas. É considerado afrodisíaco quando misturado no banho. A especiaria é muito popular nos países nórdicos onde está presente em várias receitas de arroz, de fogaças e sopa de peixe. Os egípcios cultivavam o açafrão como planta sagrada. 
Em vários murais da antiguidade, ele aparece em cerimônias religiosas sendo ofertado ao deus Sol. Os babilônios usavam-no para fabricar essências aromáticas, enquanto na Grécia era empregado como tintura para os cabelos. 
Segundo boatos, dizem que a rainha Cleópatra utilizava a essência de açafrão para seduzir. Uma referência ainda mais distante, em um livro de medicina chinesa datado de 2600 a.C., considera-se que o açafrão um fortificante e estimulante sexual. Usado há séculos em molhos, arroz, peixes e aves, o açafrão sempre esteve acompanhado de sacerdotes, filósofos, bruxas e reis, os povos antigos utilizavam o açafrão em rituais solares, isto devido à sua coloração.

Nos nossos dias, usa-se mais como condimento do que como remédio. É a especiaria mais cara de todas as que se conhecem.

A cúrcumina do açafrão possui propriedades anti-inflamatórias em vários tipos de doenças, inclusive o câncer. A cúrcumina é um pigmento que ocorre naturalmente na planta que abaixa o nível de colesterol e lipídios totais no sangue. Em altas doses (dose certa) inibe a ovulação sendo considerado um anticoncepcional. A Cúrcumina, presente no açafrão, aumenta o sistema imunológico, retarda o Alzheimer, previne a morte de neurônios, ajuda a manter os níveis de açúcar, auxilia o sistema digestivo, reduz os riscos de derrames cerebrais e problemas cardíacos. Ela retarda e estabiliza as células cancerígenas combatendo a metástase e fortalecendo as membranas celulares. Reduz o risco de Acidentes Vasculares Cerebrais (AVC), fortalece os vasos sanguíneos e reduz a pressão arterial. Asma, coqueluche, vesícula, cálculos dos rins, fígado e bexiga são outros exemplos que o açafrão pode curar ou tratar. O tempero tradicional indiano chamado “Curry” é o açafrão potencializado através da Pimenta do Reino. O açafrão é usado como corante e os trajes típicos budistas têm a cor amarelada pela cúrcuma usada.

A cúrcumina é altamente eficaz no processo de oxidação celular e controle dos níveis de radicais livres no organismo, reduzindo assim o número de células danificadas e o envelhecimento da pele. Resumindo, o açafrão é o pó da longevidade. Um alimento vital.

Receitinha Detox:
1 colher de óleo de coco
2 alhos amassados
1 colher rasa de sal do Himalaia
2 copos de arroz integral (pode ser arroz branco se preferir)
2 colheres de açafrão (pode ser a cúrcuma brasileira)
4 copos de água para arroz integral ou 2 copos de água para arroz branco
Coloque os ingredientes na ordem descrita, quando for dourar o arroz coloque o açafrão, depois coloque a água, mecha um pouco e tampe deixando cozinhar.

Babosa – a planta da imortalidade:
A babosa, também conhecida como “Aloe Vera” também é amplamente considerada uma planta medicinal solar (relativa à saúde, à vida, à prosperidade, ao amor e à justiça). Na antiguidade os egípcios, gregos, chineses, macedônios, indianos, mexicanos e japoneses utilizavam essa planta para fins medicinais há pelo menos 6.000 anos. A babosa é documentada e reverenciada através de pinturas nos antigos templos egípcios. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe Vera na Antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3.500 AC, o qual era de fato uma coleção sobre ervas medicinais. 

Segundo alguns historiadores a Babosa era o grande segredo de beleza para tratar a pele utilizado pelas rainhas Cleópatra e Nefertiti no antigo Egito. A Babosa era transportada pelos soldados de Alexandre, o Grande, como medicamento de primeiros socorros para curar ferimentos, acelerando a cicatrização. Também era muito usada por antigas tribos das América do Norte, Central e do Sul para tratar a pele, couro cabeludo e problemas de estômago. Antigas tribos utilizavam a planta para cobrir os cortes cirúrgicos e os ferimentos das batalhas. A Babosa foi tida como medicamento pelos marinheiros de Cristóvão Colombo (navegador e explorador italiano, responsável por liderar a frota que alcançou o continente americano em 12 de outubro de 1492, sob as ordens dos Reis Católicos de Espanha, no chamado descobrimento da América). Na bíblia, a Babosa é chamada de "árvore perfumada" e "resina perfumada". Ela é usada misturada com mirra e trazida por Nicodemos para embalsamar Jesus. Muçulmanos, maometanos e judeus a usavam penduradas nas portas como proteção para todos os males. Perto de Meca era plantada ao lado dos túmulos para dar paciência aos mortos. A origem da Babosa é africana e tem ligação com os Deuses Obaluaiyê (mitologicamente uma divindade que age contra o poder da morte, das doenças e dos espíritos dos mortos) e Ogum (é o orixá da guerra, da coragem, o protetor dos templos, das casas, dos caminhos).

Os benefícios da Babosa são inúmeros: Interrompe o crescimento de tumores cancerígenos, reduz os índices de colesterol ruim, trata úlceras, alcaliniza o sangue, reduz a pressão sanguínea, acelera a cura de queimaduras físicas e também radioativas, bactericida substituindo praticamente toda a maleta de primeiros socorros, combate o envelhecimento da pele e radicais livres, estabiliza o açúcar no sangue tratando a diabete, trata as infecções causadas pela bactéria da Cândida, isotônico natural, protetor do fígado, aumenta a resistência física, hidratante para pele e cabelos, inflamações diversas, extração de berne, antirrugas para limpar as células mortas e regenerando tecidos, antioxidante natural com propriedades antibacteriana, cicatrizante, fortalece o sistema imunológico e tem ação anti-inflamatória e antiviral (inclusive inibindo a multiplicação do vírus da AIDS), hidratação do cabelo e da pele, usada em queimaduras para cicatrizar e retirar a dor entre outros benefícios.
Os princípios ativos se encontram no gel (parte interna da planta) e não na casca. Existem 200 tipos de Babosa catalogados, dessas a Aloe Vera Barbadensis (Miller), a qual é também conhecida como Aloe Vera (Linne), é a mais potente. Atualmente encontramos produtos à base de Babosa nas farmácias e supermercados como capsulas, cremes, sabonetes, pomadas, xampus e condicionadores. Um dos alimentos mais ricos em gliconutrientes (açúcar natural encontrado nas plantas para tratamento de infecções fúngicas, pele e câncer) é a Babosa. 
Composta de 12 vitaminas, 15 enzimas, 18 aminoácidos, inclusive os principais compostos do corpo humano, 20 minerais ,75 nutrientes e mais de 150 princípios ativos. A Babosa é também utilizada para sucos “detox” podendo ou não misturar com alguma fruta que mantenha a combinação do gosto e mantendo as propriedades da planta.

Trazendo em si a energia vital e a cura de diversos males, a Babosa pode ser considerada uma planta da longevidade, pois é conhecida como a “planta milagrosa” ou “planta da imortalidade”.

Receitinha Detox: Você pode usar o gel da babosa em sucos, vitaminas e shakes. Não exagere na dose, pois pode causar efeitos indesejáveis como a famosa “dor de barriga” ou enjoo. Não existe uma quantidade diária ideal, você pode iniciar com uma pequena quantidade e vá aumentando aos poucos se precisar. O gel colhido a folha da babosa pode ser congelado e guardado por até seis meses. Recomendo que consulte um especialista, pois lembre-se que de remédio para veneno é só a dosagem que muda, o mesmo que pode curar pode matar.
1 colher de sopa do gel da babosa
1 colher de sobremesa de mel
1 limão (suco)
Bata os ingredientes e um copo de água no liquidificador e tome pela manhã em jejum.

Orégano: o tempero da alegria
O orégano (Origanum vulgare) tem propriedades poderosas, seu sabor e aroma compõem diversos pratos culinários muito utilizado na dieta mediterrânea, também mexicanos e brasileiros, sendo usadas folhas frescas ou secas, esse tempero também pode ser usado como um chá, preparado por infusão de suas folhas, que serve para tratar várias doenças. Foi o antigo povo romano, que difundiu o uso do orégano por todo o seu império, hoje ele é um dos temperos mais adicionados em pratos típicos da cozinha italiana, como molhos de tomate, berinjela à parmegiana, massas e pizzas. Encontrado por toda a Europa e Ásia, é hoje muito cultivado nas Américas. Seu poder medicinal já era conhecido no Egito Antigo. O orégano tem sido utilizado não apenas na culinária, mas também nas indústrias agrícolas, farmacêuticas e de cosméticos. Além disso ele é utilizado na medicina alternativa por milhares de anos. O Orégano é, na verdade, intimamente relacionado com Hortelã e seu gênero é da mesma família da “menta”.

A palavra orégano (de Origanum) tem origem grega e significa “alegria da montanha” segundo Hipócrates, o pai da Medicina que a chamou de Origanon (erva amarga). Antes de ser descoberta como especiaria, o orégano era muito apreciado pelos gregos na forma de óleo para banho. Para os gregos a erva tinha o poder mágico de trazer felicidade. A medicina grega usava o orégano como chá para convulsões e antídoto para venenos narcotizantes. Nos casamentos da Grécia antiga, os noivos se coroavam com orégano e, em outro uso, plantavam nos cemitérios para assegurar uma vida feliz no outro mundo. Na magia o poder do orégano está associado à proteção, ao amor, à saúde e ao dinheiro. Os antigos colocavam alguns ramos de orégano nas portas das casas para se protegerem de espíritos malignos.

Benefícios do Orégano: O orégano possui vários compostos fenólicos, lipídios e ácidos graxos, flavonoides e antocianinas. O chá de orégano é popular na Turquia no combate a distúrbios gastrointestinais e na redução dos níveis de colesterol e glicose. Usado contra tosse, dor de cabeça, irritação, ação anti-inflamatório, anti-bactericida, reduz a glicemia em diabéticos, ação antimicrobiana e estrogênica, antisséptico, anticaspa, diurético, expectorante, trata doenças do pulmão, dores musculares, afecções estomacais, indigestão, gases, cólicas, enjoo, cefaleias (dores de cabeça), dores articulares e musculares, dor de dente, combate a osteoporose, anemia, menopausa, incômodos da TPM, fortalece o sistema imunológico, é antigripal, repelente de formigas, fungicida principalmente contra a “Candida Albicans” e é estimulante gástrico, biliar, nervoso e circulatório sendo usado no combate a infecções virais e até mesmo no tratamento do câncer. O Orégano possui nutrientes como o zinco, manganês, cálcio, cobre, ferro, potássio, vitaminas A, C e K, complexo B, fibras entre outros. Ele é também um agente ligeiramente estimulante, o que pode aumentar a produção de células brancas do sangue e acelerar o metabolismo, fazendo com que a recuperação da doença seja ainda mais rápida. O Orégano tem propriedades antibacterianas, que devido à presença de timol e carvacrol que são compostos orgânicos importantes pode defender o organismo contra muitas bactérias que pode afetar a pele, o intestino, e outras partes do corpo. Os antioxidantes e o ômega 3 presentes no Orégano ajudam a diminuir inflamações e colaboram para a prevenção de doenças do coração. Orégano é uma fonte rica em flavonoides antioxidantes fenólicos (poli-vitamina A, carotenos, luteína, zea-xantina e criptoxantina) e foi classificado como uma das fontes vegetais com maiores atividades antioxidantes. Estes compostos atuam na proteção contra os radicais livres e envelhecimento. Ele pode ajudar no processo de eliminação de toxinas do corpo, sendo um poderoso detox (desintoxicante).

Receitinha Detox:  infusão de 5g de folhas secas de orégano por litro de água fervente, mantida abafada até esfriar, sendo depois coada. Tomar uma xícara (chá) uma vez por dia, para

A diferença entre o remédio e o veneno é a dose e a dose depende do organismo de cada pessoa e sua condição. Por isso, sempre devemos consultar um especialista naturopata ou herbalista para um tratamento adequado.




Letícia de Castro 

Academia Ciência Estelar
Postar um comentário