Pesquisar neste blog

terça-feira, 22 de agosto de 2017

O Sol Oculto - O Grande Arquiteto do Universo

O Sol Oculto  - O Grande Arquiteto do Universo




O sol, esotérica e cientificamente, é considerado a principal razão da existência e, consequentemente, da vida como a conhecemos. Ele centraliza ou se destaca em importância dentre os astros e é reverenciado por diversas culturas e tradições. Mas, existe uma grande diferença entre o sol visível e o sol oculto.

Dan Brown, em sua obra “O Símbolo Perdido”, aborda com maestria a importância do símbolo solar, o chamado circumponto (um círculo com um ponto no centro). Apesar do autor concentrar sua trama nos mistérios da antiga Maçonaria e nos brinca com extensa explicação sobre o uso desse símbolo primitivo.

Os mistérios mais secretos de antigas tradições fazem alusão à misteriosa Origem ou Fonte da vida ou da Criação e o símbolo usado, via de regra, é o solar.

O criador do zoroastrismo, Zoroastro, adotou esse nome em uma referência ao Astro Zero ou primevo, Original. Como que em uma tentativa simbólica de antropomorfização (dar forma humana) ao Sol Primordial.

Esse Sol Original, Fonte ou Primordial, também foi antropormofizado com Akenaton (o Filho do Sol). É Ele que então emanou ou Criou todo o Universo e, portanto, também é conhecido como Grande Arquiteto do Universo pelos maçons.


Do Sol emana tanto a vida física e material quanto a espiritual. Mas, nosso sol visível é apenas um pálido reflexo que representa no plano mais denso a Fonte ou Princípio.

Blavatsky afirma em sua obra “Ísis sem Véu” que: “Existe em algum lugar, neste vasto mundo, um livro antigo - tão antigo que os nossos modernos arqueólogos poderiam examinar-lhe as páginas durante um tempo infinito sem, contudo, chegarem a um acordo quanto à natureza do tecido sobre o qual ele foi escrito. É a única cópia original que existe atualmente. O mais antigo documento hebraico sobre a ciência secreta - a Siphra Dzeniouta foi compilada a partir desse livro, e isso numa época em que já o consideravam uma relíquia literária. Uma de suas ilustrações representa a Essência Divina emanada de Adão como um arco luminoso que tende a formar um círculo; depois de atingir o ponto mais alto dessa circunferência. A glória inefável endireita-se novamente, e volta à Terra, trazendo no vórtice um tipo superior de Humanidade. Quanto mais se aproxima de nosso planeta, mais a Emanação se torna sombria, até que, ao tocar o solo, ela é tão negra como a noite”.

Nesse ponto é conveniente se distinguir entre o Sol Oculto e o Sol Negro. A ideia ou concepção de Sol Negro é uma corruptela equivocada, de interpretação incorreta, do que seria o Sol Oculto. O Sol Negro utilizado por nazistas e satanistas busca se legitimar nos conhecimentos teosóficos, mas não podem estar mais distantes da verdade, pois em hipótese alguma o Sol Oculto se refere à uma impossível, incoerente e inexistente fonte máxima do mal, das trevas e da morte e, principalmente, que possa se antepor em termos de poder à Fonte Original normalmente conhecida como Deus.

Para nós que estamos aqui no plano físico, na quarta Ronda e na quarta Cadeia Planetária, o Fonte é “oculta” porque nós é que estamos distantes de Sua compreensão, para nós trata-se de um “mistério” e por isso “oculto”, somente concebido por alguns poucos.

O sol, sendo a Fonte da Criação, se faz presente nos diversos mundos dessa mesma Criação. Assim, o sol físico responde pela criação do mundo físico, mas tem sua fagulha ou origem no mundo anterior.

Nosso sol visível é uma imensa massa de fogo que aquece e ilumina. Para que exista o fogo é necessário que existam o combustível (masculino), o comburente (feminino) e a chama (princípio ou origem do fogo). Sempre uma trindade. A chama é o princípio de tudo e antecede a tudo. A chama representa o princípio espiritual que vem da Origem da Substância Primordial contém em si a essência de tudo, o “Pneuma”.

Na Cabalah estuda-se que existem quatro mundos: o Mundo das Emanações (Atzilut), o Mundo da Criação (Briah), o Mundo da Formação (Yetzirah) e o Mundo Físico, da Criatura ou Material (Assiah). A Árvore da Vida cabalística é composta por três colunas de séfiras, as laterais podem ser consideradas uma positiva, masculina e ativa e a outra feminina, negativa e passiva. A coluna central é a relativa à origem e fim, neutra e local de encontro harmônico das duas laterais. A coluna central contém quatro séfiras, cada qual relativa à um mundo.


Ao Mundo de Assiah, ou Material, temos a séfira Malkut à qual podemos entender que a representação solar cabe à um Homem que representa toda a humanidade, assim sendo o sol planetário.

Ao Mundo de Yetzirah, ou da Formação, temos a séfira Yesod à qual podemos entender que a representação solar cabe ao sol visível e conhecido.

Ao Mundo de Briah, ou da Criação, temos a séfira Tiphereth à qual podemos entender como sendo o centro espiritual de nossa região galáctica, ou seja, a estrela mais brilhante ou sol Sírius.
Uma galáxia é um grande sistema, gravitacionalmente ligado, que consiste de estrelas, remanescentes de estrelas, um meio interestelar de gás e poeira, e um importante, mas insuficientemente conhecido componente apelidado de “matéria escura”.

Ao Mundo de Atzilut, o Mundo das Emanações, temos a séfira Kether à qual podemos entender a representação solar oculta e que fica no centro da nossa galáxia, a Via Láctea, na direção da constelação de Sagitário. Cientificamente considera-se que o exato centro da galáxia abriga um possível buraco negro denominado “Sagittarius A”. O movimento de nuvens de gases e de estrelas ao seu redor permitiu calcular a sua massa como sendo quatro milhões de vezes superior à massa do Sol, concentrada somente em uma pequena região, o que evidencia se tratar, na verdade, de um buraco negro supermassivo. Estudos indicam que as nuvens moleculares ao redor deste objeto estão sendo atraídas e, a medida que se aproximam do intenso campo gravitacional do buraco negro, passam a formar um disco de acreção e emitem grande quantidade de radiação. Embora não possa ser observado diretamente, observações radioastronômicas levantam ainda mais evidências de sua existência.


De acordo com a Teoria da Relatividade Geral, um buraco negro é uma região do espaço da qual nada, nem mesmo partículas que se movem na velocidade da luz, podem escapar. Este é o resultado da deformação do espaço-tempo, causada após o colapso gravitacional de uma estrela, com uma matéria astronomicamente maciça e, ao mesmo tempo, infinitamente compacta e que, logo depois, desaparecerá dando lugar ao que a Física chama de singularidade, o coração de um buraco negro, onde o tempo para e o espaço deixa de existir.

Kether está relacionada com o planeta astrológico Plutão, que representa a Vontade Inexorável de Deus. Também representa “O Mais Oculto e Poderoso”.


Afirma-se que esta Substância Primordial contém em si a essência de tudo o que contribui para a formação do homem; ela tem não apenas todos os elementos de seu ser físico, mas também o próprio "sopro de vida" num estado latente, pronto para ser despertado. Isto ela recebe da "incubação" do Espírito de Deus sobre a face das águas - o caos; de fato, esta substância é o próprio caos.
... O Sol, que vemos, a estrela central de nosso sistema, é apenas o reflexo, sombra ou casca do verdadeiro Sol Central espiritual. Para o próprio Sistema, o Sol é Buddhi, por ser o reflexo e o veículo do verdadeiro Sol, que é Âtman, invisível neste plano. Nesta reflexão estão todas as forças Foháticas.

"O ocultismo afirma que o Logos Solar é o regente de nosso sistema. Em A Doutrina Secreta, de Helena Blavatsky, está dito que nossas vidas são partes da vida desse Grande Ser e que o Sol é o seu coração, seu centro vital. Seu cérebro, segundo Blavatsky, está oculto por trás do Sol visível. As ondas da essência da vida fluem por meio de artérias e veias invisíveis. Os planetas são os seus membros. Do Sol a energia é irradiada para todos os centros nervosos do Sistema Solar. Ele é o reservatório de energia do nosso pequeno Cosmo." elucida Eduardo Weaver no texto: Ecologia Oculta, para o site da Loja Teosófica Liberdade (http://www.teosofia-liberdade.org.br/)

Podemos encontrar na internet um artigo intitulado “Cosmogênese”, de autoria de Hugo Martins, que dentre outras coisas afirma que:


“A Evolução propriamente dita ocorre no 3.º Trono, que é o Plano Físico ou da materialização do Oitavo Sistema (1.º Trono). Assim, temos o Sol Oculto e os Sete Originais como 1.º Trono, a formação do Sistema Solar no 2.º Trono e a do Sistema Planetário no 3.º Trono”.
... Por conseguinte, um Sistema Planetário é constituído por sete Cadeias que têm como Sol Central um Logos Original representando o Logos Único, e dirigindo cada uma dessas sete Cadeias tem-se um Logos Planetário, também chamado Ishvara ou Dhyan-Choan, que sendo Sete são as expressões manifestadas dos Sete Originais. O leitor poderá perguntar agora: qual é então a diferença entre Logos Solar e Logos Planetário, visto regerem-se pela mesma Lei séptula? Um é a projecção arquetipal do Logos Único no 2.º Trono, e o outro a manifestação do Logos Único (Oitavo Sistema) no 3.º Trono.
... É no 3.º Trono que o Eterno vai demarcando a Evolução geral através dos Ciclos, grandes e pequenos, onde cada Cadeia, Ronda, Raça, Sub-Raça, etc., tem o seu tempo registado no grande Relógio Cósmico. As próprias forças subtis da Natureza, os Tatvas, vibram obedecendo rigorosamente a horários. O mesmo acontece com os movimentos dos corpos celestes em suas órbitas. Também os Iniciados programam sempre determinados Rituais em consonância com o Ritmo Cósmico. E assim mesmo os acontecimentos de grande transcendência, tais como os Julgamentos de Fim de Ciclo, de começo e final de um Trabalho Avatárico, de determinadas Fundações Esotéricas, etc.


Posto tudo, é no 3.º Trono que pontificará o Supremo Arquitecto ou Visvakarman, expressando os valores do Sol Central do 1.º Trono na escala relativa à Terra. Segundo as antigas tradições iniciáticas, Ele é o Logos Activo conhecido como Jehovah, Grande Arquitecto do Universo (G.A.D.U.), etc. É assim designado por estar num Plano genuinamente em construção (posto a Matéria ainda não estar inteiramente formada, faltando realizar os três estados elementais), sendo o 8.º Logos Planetário relativamente aos 7 Espíritos Planetários dirigentes das 7 Rondas de cada Cadeia. Por isso é que os livros mais sagrados, particularmente o Livro de Duat depositado na Biblioteca Central desse Mundo, afirmam que “o Supremo Arquitecto caminha de Sistema em Sistema, de Cadeia em Cadeia levando até ao fim a jornada da Evolução”, por ser a expressão máxima do Logos do Sistema Solar (Para-Ishwara) que, como já vimos, é constituído por 7 Sistemas Planetários. Como sabemos, cada Sistema Planetário é formado por uma série de 7 Cadeias. Cada Cadeia, por sua vez, é dirigida por um Planetário de Cadeia (Ishwara), projecção do Planetário Soberanodo respectivo Sistema Planetário de que a Cadeia faz parte, o qual é o mesmo Ishwara exercendo funções supremas nesse Sistema numeral (no 3.º Sistema foi o 3.º Ishwara que é o mesmo da 3.ª Cadeia, por exemplo). O Planetário da Cadeia tem a coadjuvá-lo 7 Planetários de Rondas (Kumaras). Cada Cadeia é constituída por 7 Globos que são dirigidos pelos 7 Espíritos Planetários de Rondas, os quais são as projecções ou manifestações dos mesmos dos 7 Espíritos Planetários de Cadeias. Esses Kumaras Primordiais projectam-se na Terra como Kumaras Subsidiários ou Dhyanis-Kumaras relacionados à direcção e evolução das sete Raça-Mães; por sua vez, os Dhyanis-Kumaras projectam-se e actuam pelos 7 Dhyanis-Budhas dirigentes das sete Sub-Raças de cada Raça-Mãe. Sendo que cada Dhyani-Budha tem 7 Dharanis em sua volta, associados aos 7 Ramos Raciais de cada Sub-Raça, eles formam um Sistema Geográfico. Daí o número de Dharanis ser 49. Em suma, toda e qualquer modalidade de manifestação é sempre projecção de algo que está acima, agindo num processo numeral de Tulkuismo até chegar ao Logos Único que é a Origem de tudo o que existe manifestado.

Cientificamente sabe-se que o Buraco Negro é um poderoso e imenso portal para outro universo (um lado, um verso) e a “porta” do outro lado é um Buraco Branco ou Quasar também imenso.



Um quasar (abreviação de quasi-stellar radio source ("fonte de rádio quase estelar") ou quasi-stellar object ("objeto quase estelar") é um objeto astronômico distante e poderosamente energético com um núcleo galáctico ativo, de tamanho maior que o de uma estrela, porém menor do que o mínimo para ser considerado uma galáxia. Quasares foram primeiramente identificados como fontes de energia eletromagnética (incluindo ondas de rádio e luz visível) com alto desvio para o vermelho (redshift), que eram puntiformes e semelhantes a estrelas, em vez de fontes extensas semelhantes a galáxias. Os quasares são os maiores emissores de energia do Universo. Um único quasar emite entre 100 e 1000 vezes mais luz que uma galáxia inteira com cem bilhões de estrelas. Um quasar é uma região compacta com 10 a 10.000 vezes o raio de Schwarzschild do buraco negro supermassivo de uma galáxia, energizada pelo seu disco de acreção.
Postar um comentário